Retrabalho: como evitar erros que impactam na produtividade do laboratório

Quantos processos paralelos passam despercebidos no laboratório por erros não rastreáveis e quem têm origem em fluxos de atividades indefinidos, sem integração de setores e que derivam em retrabalho?

Em um ecossistema de constante inovação e alterações de comportamentos e conceitos, no mundo da gestão os processos de negócio e o mercado são diariamente impactados pela tecnologia e irão continuar assim no futuro – o desafio passa pela transformação da mudança em oportunidades.

A visão sistêmica de processos hoje é um fator essencial para tirar o melhor partido possível do fator humano e blindar processos de erros que podem impactar em todo o fluxo produtivo e resultado final da atividade.

A tecnologia tem um papel fundamental na inteligência do negócio. Traz integração, automatização, processos otimizados e permite não só aumentar a produtividade, mas também que as informações sejam confiáveis e 100% rastreáveis”, refere Vinícius Pradella, Executivo de Negócios da Shift.

No setor da medicina diagnóstica, erros que provocam retrabalho tomam outra proporção para além do impacto econômico e de tempo.

Pode ainda significar algum tipo de desconforto para o cliente – seja pela necessidade de recoletar amostras, pelo atraso na entrega de resultados ou até mesmo pelo questionamento da qualidade do laboratório.

Controles em papel, planilhas diversas e arquivos físicos certamente são informações pouco aproveitadas para a gestão do laboratório. Quanto mais automatizadas forem as tarefas, mais fácil é transformá-las em valor estratégico para a operação.

A automatização evita erros humanos e retira o carácter repetitivo das atividades do técnico do laboratório, permitindo que o mesmo adote uma visão da tarefa mais analítica e gerencial do que operacional”, comenta Vinícius.

Laboratórios clínicos podem se apoiar em bons softwares de inteligência para tomar as melhores decisões, onde ter um grande volume de dados referentes ao laboratório é apenas o primeiro passo para ter uma gestão assertiva – sem ferramentas que transformem todos esses dados em informações relevantes, a tarefa do gestor pode ser bastante complexa.

Temos casos em que após a implantação do sistema de informação, registramos uma redução de 60% em erros de cadastro, por exemplo. É uma transformação muito importante para o laboratório ”, comenta Pradella.

Conhecendo bem as características e especificidades do negócio, se torna muito mais fácil aplicar e correlacionar dados da operação com informações do mercado, da região e das potencialidades de crescimento do laboratório.

Newsletter



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *