Representantes de importantes entidades do setor debateram, a convite da Shift, as principais mudanças nos últimos anos e as tendências que conduzirão o setor em 2024. O painel pode ser conferido na íntegra até o dia 8 de janeiro de 2024. Para acessar, clique aqui.

Fazer uma retrospectiva de 2023, trazendo as tendências e os aprendizados para 2024, e discutir os principais temas que irão pautar a agenda dos players de toda a cadeia do setor. Esse foi o objetivo principal da Shift, empresa especializada em Tecnologia da Informação (TI) para medicina diagnóstica e preventiva, ao reunir representantes de importantes entidades do setor para um bate-papo virtual. 

“A Shift tem como missão promover a melhoria dos serviços de saúde e bem-estar das pessoas. Com esse foco, queremos promover discussões que proporcionem troca de experiências, tragam a nossa visão de futuro e possam de fato apoiar o setor nas reflexões do dia a dia e em suas tomadas de decisão”, contextualizou Marcelo Lorencin, CEO e Fundador da Shift, que moderou o painel.

O executivo ressaltou, mais uma vez, a importância da medicina diagnóstica no setor de saúde e o elevado percentual de decisões médicas (70%) baseadas em exames diagnósticos. Essa relevância já é conhecida e ficou ainda mais evidente durante a pandemia, quando um resultado de exame começou, inclusive, a impactar o direito de ir e vir das pessoas. Segundo ele, dois anos após o término do período mais crítico e de uma série de movimentos de mercado, o momento atual é outro. Daí a importância de entender como as entidades que atuam ativamente no setor enxergam essas mudanças e, principalmente, quais são as perspectivas.

Fábio Brazão, presidente da SBPC/ML, que foi um dos participantes do painel, abriu as discussões relembrando que se trata de um momento desafiador para o setor, que já enfrentava inúmeros entraves nos últimos anos e que a partir de meados de 2023 passou a ter de lidar com a nova RDC 786/2023. Soma-se a esse cenário o aumento dos custos para a realização de exames. “A indústria precisa captar recursos, as operadoras de saúde não repassam reajustes ou, quando fazem, são baixos. Temos grandes desafios para 2024, e a automação laboratorial tem contribuído para podermos continuar a prestar um serviço de excelência de forma continuada”, destacou. 

Apesar disso, o protagonismo dos centros de medicina diagnóstica  seguirá em ascensão. A Dra. Maria Elizabeth Menezes, presidente da SBAC, comenta que, em função da miniaturização de plataformas, os pequenos laboratórios poderão voltar a realizar os exames em suas instalações. Isso será viabilizado pelo fato de as plataformas menores atenuarem uma série de erros, desde a parte pré-analítica até a fase final – o laudo-, em função da personalização do indivíduo. “Pequenos laboratórios poderão fazer um único exame. Não é uma demanda tão grande como se via em laboratórios de apoio, mas é onde ele fará um individualizado. E isso fará com que o protagonismo suba, chegando não apenas em função da inteligência artificial, mas em função do fazer e saber fazer dentro das suas instalações. A gente vê um cenário de otimismo para 2024 em diante”, afirmou a executiva.

Mas é fato que o setor continua em crescimento. Segundo o Painel Abramed, o setor cresceu 9,5% em 2022. Esses números, para o presidente da entidade, Dr. Wilson Shcolnik, devem ser vistos com muito otimismo, a despeito dos desafios. “O grande fator positivo que tivemos nos últimos anos foi as mudanças das entidades que atuam no setor, que se uniram de uma maneira nunca vista. Desta forma, ficamos mais fortes para defender o nosso setor diante de tantas ameaças que encontramos em ambientes externos, seja em assuntos regulatórios, do próprio mercado ou muitos desafios que vêm pela frente”, explicou.

Com relação especificamente à nova RDC 786 e ao fato de a legislação vigente estar desatualizada, Shcolnik reforçou que foi exatamente a união entre as entidades, como Abramed, SBAC, SBPC/ML, Conselho Federal de Biomedicina e Conselho Federal de Farmácia, que permitiu delimitar o desafio que  existia na regulação dos exames realizados fora do laboratório clínico, apesar do cenário não ser exatamente pleiteado por elas. Também ressaltou o papel dos laboratórios de fiscalizar essas ocorrências que afrontam os requisitos da RDC 786, a importância de se contar com um amparo legal para se fazer a liberação automática de exames e a não obrigatoriedade da assinatura ser certificada.

“Competirá a cada um de nós fiscalizar o que está acontecendo em farmácias, como estão sendo realizados os exames, porque temos uma grande preocupação em atender bem os nossos pacientes e não submetê-los a nenhum tipo de risco. É o que temos feito nas últimas décadas nos laboratórios clínicos. Claro  que tivemos muitas conquistas, mas ainda temos muitos problemas a resolver também, e a Abramed discute algumas iniciativas para nos proteger de alguma maneira e oferecer aos pacientes a melhor prática para resultados de exames confiáveis.”

A campanha inédita no setor “Eu confio no Laboratório” foi lembrada durante o painel. A iniciativa coloca em evidência a expertise e a precisão diagnóstica dos laboratórios clínicos no país e a necessidade de observar as restrições, exigências normativas, legais, regulatórias a serem cumpridas para garantir a segurança e qualidade no exame, beneficiando todos os stakeholders.

Uso da tecnologia e perspectivas para o futuro

A inovação e a transformação digital já fazem parte do cotidiano dos laboratórios e têm que ser vistas como grandes aliadas por sua capacidade de elevar ainda mais o protagonismo do laboratório. O uso de dados também emerge como propulsor para elevar a qualidade e a precisão, bem como agregar valor ao paciente e aos médicos. Esses fatores são primordiais, por exemplo, para lidar com o envelhecimento populacional e a prevalência de doenças crônicas. “O setor se vê bombardeado por transformação digital, novas tendências, como medicina personalizada, IA, tecnologias que levaram exames para o leito do paciente e uma série de outras inovações”, complementou Lorencin durante sua fala.


imagem

Artigos relacionados

Segurança da informação para o setor de medicina diagnóstica

Segurança da informação para o setor de medicina diagnóstica 19 de janeiro de 2022   A tecnologia avança cada vez mais na proteção do sigilo e da privacidade dos usuários, sendo fundamental para o trabalho em laboratório. Foi pensando nisso que, neste post, decidimos abordar a segurança da informação para o setor de medicina diagnóstica! […]

Shift é uma das vencedoras do “Líderes da Saúde 2021”

Empresa recebe mais uma vez o Oscar da Saúde, na categoria Tecnologia – Medicina Diagnóstica

Convenção Shift apresenta estratégias para 2022

Empresa reuniu seus mais de 200 colaboradores para falar dos desafios de crescimento, seus propósitos e cultura, além de fazer uma descontraída retrospectiva das principais conquistas do ano

imagem

Destaques

Business Intelligence apoia melhorias em indicadores de desempenho no Lacmar

Controle de Qualidade Interno no contexto da RDC 786/23

Índice de adesão à RDC 786/23 cresce após consultoria da Shift

imagem

Assine a nossa newsletter?

Quer ficar por dentro das novidades sobre soluções em tecnologia para saúde? Cadastre-se na News da Shift e atualize-se periodicamente na caixa de entrada do seu e-mail.

Acompanhe a Shift nas redes sociais!