4 estratégias para aumentar a produtividade do laboratório

A produtividade do laboratório clínico depende não apenas de pessoas, como também de processos, de tecnologia e de uma gestão que conta com uma análise de informações de forma estratégica.

No competitivo mercado de análises clínicas, a escalabilidade do negócio exige altos níveis de produtividade do laboratório, com uma capacidade de operar com baixos custos e, ao mesmo tempo, garantia de um serviço de excelência, fidelizando pacientes com informações ágeis e com qualidade e segurança.

Veja abaixo 4 princípios estratégicos que podem contribuir para ganhos de produtividade em laboratórios clínicos.

1. Invista na automação laboratorial

Os principais benefícios da automação laboratorial são a padronização e agilidade nos processos, otimização controle de qualidade e a diminuição dos erros (onde, por exemplo, a digitação de laudo se configura como um dos grandes problemas dentro de um laboratório).

Através da automação laboratorial, é possível realizar a verificação automatizada de exames, que permite que cerca de 80% das amostras (no caso de clientes Shift) tenham seus resultados verificados de forma automática – isso possibilita que os profissionais da área técnica tenham maior foco em resultados alterados e suas causas, otimizando a rotina de liberação e contribuindo para entrega dos laudos dentro do prazo, com clareza e agilidade.

A automação de equipamentos permite ainda uma interface com um módulo de controle de qualidade, extinguindo a digitação de resultados, que vai garantir ao laboratório uma auditoria precisa e que atende aos mais exigentes requisitos de normas de acreditação, por exemplo. Ao liberar os resultados do dia, o sistema possibilita uma análise completa de indicadores de qualidade e eficiência de forma objetiva, permitindo que tomadas de decisão sejam rápidas e eficientes na gestão da área técnica.

2. Tenha um parceiro tecnológico estratégico

Seja no sistema de informação laboratorial ou no banco de dados, escolher um parceiro tecnológico do laboratório é uma das decisões mais importantes que gestores irão tomar em muitos anos. Escolher um parceiro adequado é fundamental para garantir que a tecnologia implantada traga rapidamente uma economia de custos e de tempo e proporcione o crescimento da produtividade do laboratório com fluxos de trabalho inteligentes e aderentes às melhores práticas do mercado.

Apenas um bom software não basta – o parceiro deve ser capaz de acompanhar grandes demandas e grandes volumes de dados, de forma a não só possibilitar a escalabilidade da operação do laboratório, como também atender com qualidade, segurança e antecipação das necessidades do setor.

Desde o primeiro contato ao processo de implantação e suporte, é essencial que exista uma união do conhecimento em tecnologia com a preocupação em promover relações positivas e duradouras.

3. Crie uma cultura de performance no laboratório

Seja na gestão de pessoas ou na gestão operacional do laboratório, a cultura de performance deve ser sempre estimulada e aprimorada, onde o conhecimento técnico aliado às competências interpessoais e às melhores ferramentas de trabalho, ajudam a tornar serviços mais competitivos, diferenciados e apreciados pelos clientes.

Para suportar uma cultura de alta performance, o uso dos indicadores de desempenho vem sendo cada vez mais valorizado na gestão laboratorial por tratar-se de uma poderosa ferramenta para qualificar e quantificar falhas nos diferentes processos laboratoriais, do pré ao pós-analítico, auxiliar na implantação de medidas preventivas e corretivas, bem como apontar a eficácia das ações tomadas.

4. Desenvolva uma gestão orientada por dados

Aliar a tecnologia a uma gestão e cultura orientadas por dados pode ser um caminho para a transformação das organizações. As soluções de inteligência de negócios – Business Intelligence ou BI – são importantes ferramentas que permitem utilizar as inúmeras informações do laboratório para trazer resultados positivos, transformando os dados em valor estratégico para o negócio.

A gestão orientada por dados permite uma tomada de decisão sustentada de gestores de laboratórios, que conhecem a fundo sua operação e resultados através de indicadores em forma de gráficos, estatísticas e relatórios de fácil entendimento, onde é possível, por exemplo, analisar o TAT (Turn Around Time), atraso de exames, pedidos de exames, repetições de exames, entre muitas outras informações.

Esse conhecimento abre caminho para um processo de melhoria contínua da operação, permitindo atuar em gargalos de produtividade do laboratório e antecipar cenários de risco.

Newsletter



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *