Acreditações e seus resultados para a gestão laboratorial

Em um cenário competitivo como o setor da medicina diagnóstica, laboratórios clínicos têm procurado cada vez mais os selos que atestam a qualidade dos seus processos.

No mercado de Laboratórios no Brasil, considera-se ainda reduzido o número de acreditações no setor: para além de não serem obrigatórias, adequar um laboratório aos requisitos exigidos implica um alto comprometimento com o programa escolhido e, muitas vezes, investimentos.

Contudo, a quantidade de laboratórios acreditados ou que estão procurando a obtenção dos selos está crescendo cada vez mais e, atualmente, esse aumento da procura não se deve mais apenas ao reconhecimento da Qualidade técnica do Laboratório.

“Nas últimas décadas as instituições vêm buscando o aprimoramento e a qualidade dos seus serviços e produtos, em decorrência do crescente nível de exigência e conhecimento dos clientes. Mas o grande movimento pela Qualidade passou a ser impulsionado depois que a Agência Nacional Saúde Suplementar (ANS) estabeleceu regulamentações que recompensam economicamente as instituições por meio do reconhecimento via programas de acreditação”, revela a Dra. Helinete Figueiras, Farmacêutica-Bioquímica e Auditora do Programa PALC, da SBPC/ML.

No caso do Laboratório Hemos, de Blumenau (SC), a decisão de buscar uma acreditação integrou o plano estratégico de crescimento e expansão do laboratório e acompanhou a tendência do mercado.

“A acreditação era um passo necessário na nossa trajetória e, além disso, todos percebemos o movimento da sociedade e das agências reguladoras que valorizam quem trabalha com mais Qualidade. Quando nos mudamos para a nova sede técnico-administrativa, há quatro anos, já havíamos organizado o projeto de acordo com os princípios da qualidade. Portanto, a nossa intenção vinha de longo tempo”, comenta a Dra. Rosele Maria Branco, Médica Diretora Clínica do Hemos.

ACREDITAÇÃO: BENEFÍCIOS PARA A GESTÃO

A acreditação proporciona não apenas um reconhecimento formal da competência técnica da instituição, como também o gerenciamento dos processos internos e melhoria contínua, além de permitir estabelecer padrões que se pretendem atingir.

No caso do Laboratório Hemos, a acreditação trouxe, segundo a Dra. Rosele, um “processo de trabalho com procedimentos rígidos que permitem manter a segurança e a confiabilidade no nosso trabalho”.

“Com a qualidade melhorada, os desperdícios podem ser evitados, reduzindo-se custos e aumentando a produtividade, ocorrendo até mesmo a melhoria da competitividade no mercado. A satisfação dos clientes, de pacientes a médicos, é aumentada por meio da maior confiança nos serviços prestados. Os colaboradores, por sua vez, têm ganhos de conhecimento e de aprendizado, promovendo, consequentemente, maior integração entre os setores e melhoria da coletividade”, revela a Dra. Helinete.

QUAIS DESAFIOS PARA ACREDITAR O LABORATÓRIO?

Conscientizar e promover o comprometimento de todos os colaboradores é um dos maiores desafios que o laboratório terá na obtenção da acreditação. Para a Auditora do PALC, “é um processo de transformação da cultura, das atividades e do comportamento das pessoas no sentido da melhoria dos procedimentos e dos resultados da instituição”.

No caso do Laboratório Hemos, os trabalhos para a obtenção da acreditação PALC exigiram engajamento e comprometimento de toda a equipe.

“Creio que a maior mudança foi na forma de pensar e na atitude das pessoas, que ficaram mais exigentes nas atividades profissionais”, comenta a Dra. Rosele Branco.

Os desafios relativos a custos e o tempo necessário para um laboratório se preparar e efetivamente conquistar a acreditação dependem da adequação e da maturidade da sua estrutura e processos face aos requisitos do programa escolhido.

“A empresa que decide buscar a acreditação deve primeiramente determinar em qual programa deseja ser acreditado e, baseado no programa escolhido, preparar o Sistema da Qualidade de acordo com os requisitos nele estabelecidos. Para alinhamentos de todos os processos com o programa escolhido é necessário o total comprometimento da alta direção e envolvimento de todos os colaboradores da instituição”, aconselha a Dra. Helinete Figueiras.

Newsletter



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *